sexta-feira, 5 de março de 2010

Intervalo - Johnny Alf

Capa do LP lançado por Johnny Alf em 1965

Alfredo José da Silva nasceu no Rio de Janeiro em 1929. Perdeu o pai aos três anos de idade. Sua mãe o criou sozinha trabalhando como doméstica na casa de uma família na Tijuca. Seus estudos de piano começaram aos nove anos, com Geni Borges, amiga da família para a qual sua mãe trabalhava. Após o início na música erudita, começou a se interessar pela música popular, principalmente pelas trilhas sonoras do cinema norte-americano e por compositores como George Gershwin e Cole Porter. Uma amiga americana sugeriu o nome de Johnny Alf. Segundo o jornalista Ruy Castro (e quase todo o mundo da música), Johnny Alf foi o verdadeiro pai da Bossa Nova. Tom Jobim o apelidou de "Genialf". (informações retiradas da Wikipédia)


Caetano Veloso canta "Eu e a brisa"


Eu e a brisa
(Johnny Alf)

Ah, se a juventude que esta brisa canta
Ficasse aqui comigo mais um pouco
Eu poderia esquecer a dor
De ser tão só pra ser um sonho


Daí então quem sabe alguém chegasse
Buscando um sonho em forma de desejo
Felicidade então pra nós seria

E, depois que a tarde nos trouxesse a lua
Se o amor chegasse eu não resistiria
E a madrugada acalentaria a nossa paz

Fica, ó brisa fica pois talvez quem sabe
O inesperado faça uma surpresa
E traga alguém que queira te escutar
E junto a mim queira ficar

8 comentários:

borges disse...

De Alf eu fico com a "Ilusão à Toa": "Somente um dia longe dos teus olhos..." Bem lembrado. Abç

Tati Pastorello disse...

Oi Marcelo, não sei se você gosta de selinhos, mas eu queria compartilhar o primeiro que recebi com os blogs que mais gosto. Se não quiser copiar, aceite como um carinho. Um beijo.

Marcelo Amorim disse...

Claro que aceito, Tati, aceito e agradeço muito por essa sua gentileza e carinho. Um beijo pra você

Marcelo Amorim disse...

Francis, "Ilusão a toa" também é a minha preferida do Johnny Alf, mas os vídeos que encontrei dela não estavam muito bons, então postei "Eu e a brisa", que também é linda e o Caetano mandou muito bem. Abração pra vc

Leila Pugnaloni disse...

maravilha

Borges disse...

Eu, sinceramente não me ligava, talvez pela minha geração, mas havia citado o compositor num post de janeiro. Gosto muito de "Ilusão à Toa": "Sim, amor discreto pra uma só pessoa". Saudade...

Marcelo Amorim disse...

Também demorei a me ligar do valor do cara, Fracis, mas saempre gostei de "Eu e a brisa", a mais famosa dele. E concordo com você, "Ilusão à toa" é também a minha preferida. Um abraço

Francis disse...

Toda aquela geração cantava "Se a juventude que essa brisa..." Valeu amigo. Gostei da "Ilusão..." com Caetano. Apareça no Sol que tem post de Lua. Saudade. Abç